Saúde do Homem: uma série de podcasts com informações sobre o câncer de próstata, de pênis e de boca que podem salvar vidas.

Não interessa onde você esteja. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), em qualquer lugar do mundo, as mulheres vivem mais do que os homens. Uma diferença média global de 5 anos. No Brasil, segundo o IBGE, a expectativa de vida das mulheres ao nascer é de 80 anos. A dos homens, 73. O que está por trás desses 7 anos a menos? A série Saúde do Homem, apresentada pelo jornalista Celso Ishigami, vai mergulhar no universo masculino para fazer um alerta sobre as dificuldades encontradas pelos homens quando o assunto é cuidar da própria saúde.

Da saúde do corpo à saúde mental, os homens ainda estão distantes de exercer uma prática de prevenção.
O câncer de próstata é o segundo tumor que mais mata homens no Brasil.
Vamos ouvir a história de Jarismar Jaques Gonçalves, o seu Jota – acometido por um câncer de boca aos 48 anos.
Para encerrar nossa série, convidamos o médico de Família e Comunidade João Moreira, o urologista Leônidas Nogueira…

Fonte: INCA e OMS
O câncer de boca, também conhecido como câncer de lábio e cavidade oral, é um tumor maligno que afeta lábios e estruturas da boca, como gengivas, bochechas, céu da boca, língua e a região embaixo da língua. Dados do Ministério da Saúde revelam que a doença está mais presente entre homens e que 75% dos casos são diagnosticados em estágio avançado e em indivíduos com idade superior a 50 anos.

O diagnóstico do câncer de cavidade oral normalmente pode ser feito com o exame clínico, mas a confirmação depende da biópsia. Alguns exames de imagem, como a tomografia computadorizada, também auxiliam no diagnóstico e, principalmente, ajudam a avaliar a extensão do tumor.

Prevenção
As principais formas de prevenir a doença são: evitar o consumo de bebidas alcoólicas, ter alimentação rica em frutas, verduras e legumes, manter boa higiene bucal e usar camisinha durante a prática do sexo oral. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que a prevenção pode ajudar a reduzir a incidência de câncer em até 25% até 2025.

A visita periódica ao dentista também favorece o diagnóstico precoce do câncer de boca, já que permite identificar lesões suspeitas.

Sintomas
Os principais sinais que devem ser observados são: lesões na cavidade oral ou nos lábios que não cicatrizam por mais de 15 dias; manchas/placas vermelhas ou esbranquiçadas na língua, gengivas, céu da boca ou bochechas; nódulos no pescoço; e rouquidão persistente.

Nos casos mais avançados, observam-se dificuldade de mastigação e de engolir, dificuldade na fala, sensação de que há algo preso na garganta e dificuldade para movimentar a língua.

Tratamento
Se diagnosticados no início e tratados da maneira adequada, a maioria dos casos desse tipo de câncer (80%) tem cura. O cirurgião de Cabeça e Pescoço é o profissional responsável por avaliar o estágio da doença. A radioterapia e a quimioterapia são indicadas quando a cirurgia não é possível ou quando o procedimento traria sequelas funcionais para a vida do paciente.

A cirurgia normalmente consiste na retirada da área afetada pelo tumor, associada à remoção dos linfonodos do pescoço, e em algum tipo de reconstrução quando necessário. Nas lesões mais simples, a cirurgia de retirada do câncer resolve. Nos casos mais complexos, além do procedimento cirúrgico é necessária a realização de radioterapia para complementar o tratamento e obter melhor resultado curativo. Em todas as etapas do tratamento, é importante a participação de vários profissionais da Saúde, visando a prevenção de complicações e sequelas.

Fonte: INCA
No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens, atrás apenas do câncer de pele não melanoma. É considerado um câncer da terceira idade, já que cerca de 75% dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos.

A próstata é uma glândula que faz parte do aparelho reprodutor masculino, localizada abaixo da bexiga. Sua principal função é a produção do esperma. O câncer de próstata acontece devido ao desordenamento na multiplicação de suas células.

Prevenção
O exame de toque retal permite que o médico avalie alterações na glândula, como o endurecimento, sendo o método mais preciso para a identificação de nódulos suspeitos. O exame sanguíneo para medir a dosagem de PSA (antígeno prostático específico) também é feito para complementar o diagnóstico.

Pessoas sem sintomas, mas pertencentes a grupos com maior chance genética (com pai ou irmão diagnosticados com câncer de próstata), podem optar pelo rastreamento da doença. No entanto, devem conversar com o profissional da Saúde sobre os riscos e os benefícios que envolvem a realização dos exames de rastreio.

Sintomas
Em sua fase inicial, o câncer de próstata tem evolução silenciosa. Muitos pacientes não apresentam nenhum sintoma ou, quando apresentam, são semelhantes aos do crescimento benigno da próstata (dificuldade de urinar, necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite). Na fase avançada, pode provocar dor óssea, sangue na urina ou, quando mais grave, infecção generalizada ou insuficiência renal.

Tratamento
Para doença localizada (que só atingiu a próstata e não se espalhou para outros órgãos), cirurgia, radioterapia e até mesmo observação vigilante (em algumas situações especiais) podem ser oferecidas. Para doença localmente avançada, radioterapia ou cirurgia em combinação com tratamento hormonal têm sido utilizados. Para doença metastática (quando o tumor já se espalhou para outras partes do corpo), o tratamento mais indicado é a terapia hormonal.

Fonte: INCA
O câncer de pênis tem maior incidência em homens a partir dos 50 anos, embora possa atingir também os mais jovens. No Brasil, esse tipo de tumor representa 2% de todos os tipos de câncer que atingem o homem, sendo mais frequente nas regiões Norte e Nordeste.

Quando diagnosticado em estágio inicial, o câncer de pênis apresenta elevada taxa de cura. No entanto, mais da metade dos pacientes demora até 1 ano após as primeiras lesões aparecem para procurar o médico.

Prevenção
Uma das principais formas de prevenir o câncer de pênis é realizar a limpeza diária do órgão com água e sabão. Especialistas alertam que é fundamental ensinar às crianças os hábitos de higiene íntima desde cedo.

A cirurgia de fimose, que retira a pele do prepúcio, também é um dos fatores de prevenção por facilitar a limpeza adequada da cabeça do pênis. O procedimento é conhecido por ser muito simples e ser realizado na infância.

Outro ponto principal é a utilização de preservativo em qualquer relação sexual, uma vez que a prática com diferentes parceiros sem o uso da camisinha aumenta o risco de desenvolver a doença. Estudos também relacionam o câncer de pênis com a infecção pelo papilomavírus humano (HPV).

Sintomas
A manifestação mais comum do câncer de pênis é uma ferida, ou úlcera, ou também um inchaço localizado na glande, prepúcio ou corpo do pênis. A presença de um desses sinais, associada a uma secreção branca (esmegma), pode ser um indicativo da doença. Nesses casos, é necessário consultar um especialista. Além da tumoração no pênis, a presença de gânglios inguinais (ínguas na virilha) pode ser sinal de progressão da doença.

Tratamento
A escolha do tratamento para o câncer de pênis vai depender do estágio da doença e da localização do tumor. As opções podem variar entre cirurgia, radioterapia e quimioterapia. Em muitos casos, ocorre uma combinação desses tratamentos.

A indicação cirúrgica é a mais comum no tratamento do câncer de pênis. Com o diagnóstico precoce, é quase sempre possível evitar a amputação do pênis, a fim de manter a função sexual, a aparência e a capacidade de urinar de pé.

Se o tumor estiver localizado no prepúcio, pode ser realizada uma circuncisão para remover tanto o câncer quanto o tecido normal que está ao redor, para evitar que as células cancerígenas proliferem. Em casos avançados, pode ser feita a amputação total do órgão.

Serviços

Câncer de boca

Recife
Hospital do Câncer – Avenida Cruz Cabugá, 1597

Câncer de próstata

Recife
Hospital das Clínicas – Avenida Professor Moraes Rego, 1235
Imip – Rua dos Coelhos, 300 – Boa Vista
Hospital Oswaldo Cruz – R. Arnóbio Marquês, 310 – Santo Amaro
Hospital do Câncer – Av. Cruz Cabugá, 1597 – Santo Amaro
Hospital Getúlio Vargas – Av. Gen. San Martin, s/n – Cordeiro
Hospital Otávio de Freitas – R. Aprígio Guimarães, s/n – Tejipio

Arcoverde
Hospital Memorial Arcoverde – Av. José Bonifácio, 1121 – São Cristóvão

Câncer de pênis

Recife
Hospital das Clínicas – Avenida Professor Moraes Rego, 1235
Imip – Rua dos Coelhos, 300 – Boa Vista
Hospital do Câncer – Av. Cruz Cabugá, 1597 – Santo Amaro

Arcoverde
Hospital Memorial Arcoverde – Av. José Bonifácio, 1121 – São Cristóvão

Personagens

Não é fácil desconstruir tabus da sociedade. E é por isso que esta série vai muito além do diagnóstico de um câncer, ela é sobre partilha, representatividade e, principalmente, a necessidade de falar sobre o autocuidado. O nosso papel de alertar, informar e incentivar os homens para que se sintam mais à vontade com suas próprias histórias só teve êxito por conta de cada relato dividido ao longo dessa jornada. Vocês foram imprescindíveis. Nosso muito obrigado a todos!

Dr Bruno Ishigami

Cláudio Nascimento

Dr Felipe Dubourcq

Dr Bruno Pessoa

Equipe e Bastidores

Celso Ishigami e Fred Figueiroa
Direção, Criação e Textos

Celso Ishigami
Apresentação

Ketheryne Mariz
Produção

Júlia Galvão
Coordenação de Produção

Bruno Lins
Edição de áudio